Como e porque aconteceu a decisão de me tornar uma fotografa

Desde pequena sempre tive um grande prazer em ver e reviver momentos de minha família que foram capturados por uma câmera fotográfica, mas por muitos anos a ideia de ser fotógrafa jamais havia passado pela minha mente. 
O prazer de pegar aquela velha sacola  de fotografias antigas só me trazia mesmo a alegria de poder relembrar alguns momentos de minha vida, ver momentos  que a memória não guardou e até mesmo conhecer momentos que se passaram na vida de meus pais e irmãos.  Era sempre engraçado ver como tínhamos mudado e crescido, as roupas que meus irmãos usavam já  estavam fora de moda, os cortes de cabelos eram tão diferentes e engraçados. Olhando aquelas imagens muitas gargalhadas eu dava mesmo  sozinha, lágrimas de alegria ao ver momentos especiais com pessoas tão especiais e também algumas  de tristeza ao ver que alguns alí já não estavam mais entre nós. E assim segue a nossa vida, a memória lembra de momentos e as fotografias os eternizam. Daquele tanto de imagens se registram a nossa história, será que você consegue imaginar a sua vida sem nenhuma fotografia? 
Bem, voltando ao tema original desse blog, não foi de criança que o “ser fotografa” começou,
por anos planejei me formar em Farmácia e especializar em bioquímica, profissão exercida pelo meu pai, dois anos  passei na universidade, entre trancos e barrancos os planos se refizeram e eu me mudei para os Estados Unidos, país no qual  resido por pouco mais de quinze anos, foi aqui que tudo começou! Em 2004, quase quatro anos depois de ter chegado aqui ganhei a minha primeira câmera fotográfica, uma Canon digital, semi profissional. Muitas fotos tirei até o dia em que a ideia surgiu. Foi em um retiro com amigos que eu estava participando, que um casal veio até mim e  pediu-me que  tirasse algumas fotos deles, eu, com um sorriso no rosto e uma câmera na mão, sem muito saber o que fazia, algumas fotos tirei, não sabia por onde começar mais entre poses e gracinhas algumas fotos registrei. E como todo ser humano, eles me pediram para ver o que eu tinha capturado. O sorriso estampou no rosto deles quando devagar eles passavam foto por foto e eles me disseram que estava tudo muito bonito. Que a forma que eu capturei aquelas imagens estava mais bonita que as fotos do "ensaio namoro" que eles haviam feito antes do casamento e que existia em mim um dom que eu ainda não havia descoberto. Me disseram que eu deveria me tornar uma fotógrafa. Fiquei feliz com tantos elogios, mas descartei a ideia sugerida.

Mas como tudo que é para ser tem muita força, dias depois daquele retiro me deparo com um jornal anunciando um curso de fotografia, e com aquele incentivo guardado em minha mente resolvi me inscrever e procurar aprender pelo menos a forma correta de trabalhar com a minha câmera, e foi na minha primeira aula que descobri a minha grande paixão em fotografar. Após três meses fotografei  um casamento, que foi meu primeiro trabalho. Daquele dia, alguns anos se passaram, muitos cursos eu fiz, e muitos momentos importantes eu registrei na vida de várias mães, casais, famílias, crianças, mulheres e é com o maior amor do mundo que faço o meu trabalho. E do sorriso de cada cliente que prossigo nesse caminho, e  da mesma forma de quando eu era criança em que eu me alegrava em rever momentos especiais que se passaram na minha família que hoje eu me alegro em poder capturar momentos especiais na vida de várias pessoas e fazer desses momentos  lindas lembranças que irão durar para  sempre. 
Assim como descobri meu dom, desejo que todas as pessoas descubram um trabalho que as façam felizes e realizadas e tornem este mundo um lugar mais agradável de se viver, fazendo outras pessoas felizes.